jornal de hontem novembro 2017

Edições Anteriores

A INAUGURAÇÃO DA ITAIPU BINACIONAL

                                                                                            Prof. Me. Angelo Moraes

Em Novembro de 1982 era inaugurada a maior usina hidrelétrica do mundo até então, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Itaipu, que na língua Tupi quer dizer “a pedra que canta”, é considerada uma das sete maravilhas modernas da engenharia mundial, sendo responsável pelo abastecimento de 17% da energia consumida no Brasil e 76% no lado paraguaio. Construída em um contexto de crise internacional do petróleo, a realização de Itaipu foi pensada estrategicamente no sentido de buscar fontes alternativas de energia limpa e renovável. A entrada da usina em operação comercial ocorreu em 05 de Maio de 1984, mas a inauguração propriamente dita, com a abertura das primeiras comportas após o término da obra se deu em 05 de Novembro de 1982.

Os primeiros estudos encomendados pelo governo brasileiro sobre a utilização do potencial hidráulico na região do Rio Paraná onde se encontravam as Quedas do Iguaçu foram feitos ainda em 1962. Em 1966, já sob a égide do governo militar, foi assinado um documento de intenções cooperativas entre Brasil e Paraguai denominado “Ata de Iguaçu”. Nesse documento, os dois países se comprometiam a examinar as possibilidades econômicas e, em particular, a viabilidade de aproveitamento dos recursos hidráulicos “pertencentes em condomínio aos dois países do Salto Grande de Sete Quedas ou Salto de Guairá.” Aqui uma curiosidade: segundo informa a versão oficial do próprio site da Itaipu Binacional, o escritor de “Grande Sertão Veredas”, João Guimarães Rosa, que ocupava o posto de chefe da Divisão de Fronteiras do Ministério das Relações Exteriores à época, teve decisiva participação nas discussões que costuraram o acordo para a construção de Itaipu pelos dois países. A Ata de Iguaçu foi o documento que precedeu o Tratado de Itaipu, firmado em 1973. O Tratado de Itaipu foi o instrumento legal que, confirmadas as condições favoráveis ao aproveitamento hidrelétrico da região, selou oficialmente a cooperação entre Brasil e Paraguai para a construção da usina de energia.

Ainda em 1973 técnicos dos dois países definiram o local mais adequado para a construção da hidrelétrica; em maio de 1974 Itaipu Binacional é constituída formalmente como empresa e no semestre seguinte começam os trabalhos que, em seu pico, entre 1978 e 1981, chegaram a reunir 40.000 mil trabalhadores em seu canteiro de obras. Para efeito de comparação, Foz do Iguaçu à época possuía apenas 20.000 mil habitantes. No mega empreendimento foram usados 12,7 milhões de metros cúbicos de concreto, o que seria suficiente para a construção de 210 estádios como o Maracanã.

Em outubro de 1978 é aberto o canal de desvio do rio Paraná onde seria construída a barragem principal da usina; foram usadas 58 toneladas de dinamites na explosão do novo caminho do rio. Em 1982, terminada a fase de concretagem da barragem principal, têm início o fechamento das comportas do canal de desvio, para a formação do reservatório da usina. Segundo informações oficiais, “a lâmina de água soma 135 mil hectares, ou quatro vezes o tamanho da Baía da Guanabara”.

O Jornal de Hontem da presente edição enfoca a inauguração oficial de Itaipu realizada em Novembro de 1982, com a participação dos ditadores dos dois países, João Batista Figueiredo e Alfredo Stroessner.  Em 05 de Novembro o Estado de Mato Grosso traz em sua página inicial: “Itaipu: Figueiredo verá hoje a abertura das comportas.” No dia seguinte o mesmo periódico noticia que os “Presidentes Figueiredo e Stroessner inauguram Itaipu”, e traz a seguinte fala do militar brasileiro: “... no coração do continente americano, o Brasil e o Paraguai oferecem a causa da integração latino-americana uma realidade de cimento e aço, um poderoso vínculo no setor fundamental da cooperação energética.”

Hoje Itaipu Binacional não é mais a maior usina hidrelétrica do mundo, perdendo o posto para a usina de Três Gargantas na China, inaugurada em 2012. A usina chinesa possui uma capacidade de geração de energia 60% maior que a de Itaipu, porém, esta continua sendo a maior produtora mundial de energia uma vez que a usina chinesa ainda não opera com toda a sua capacidade plena. De qualquer maneira, Itaipu acumula vários recordes como por exemplo o que atingiu ano passado ao ultrapassar a quantidade de produção de 100 milhões de mega-watts hora (MWh), sendo a primeira hidrelétrica do mundo a alcançar tal feito. Itaipu ainda ostenta o título de maior hidrelétrica do mundo em produção acumulada gerando um total de mais de 2,4 bilhão de MWh produzidos em mais de 30 anos de operação. 

                 

Para saber mais...

 

Conectado
Nada por enquanto...